Bactérias e fungos para ter solos saudáveis no jardim
800 834137 apoioaocliente@lojahusqvarna.com

Devolução garantida

Garantia Husqvarna

Envio grátis a partir de 19€

Pagamento seguro

Solos vivos: bactérias e fungos

Neste artigo, continuamos a descobrir o que torna bom o solo de um jardim, abordando alguns dos componentes biológicos do solo – especificamente os micróbios. Tanto os fungos como as bactérias benéficas crescem para ‘dentro’ e ao redor das raízes das plantas. Raízes, revestimentos bacterianos e hifas fúngicas funcionam para criar um intrincado trabalho de rede subterrânea.

Nesta introdução a esses parceiros das plantas, vamos mostrar como algumas bactérias e fungos especializados são capazes de penetrar nas defesas das plantas e tornarem-se partes intrínsecas do sistema radicular. Vamos mostrar os benefícios específicos que cada parceiro recebe desses relacionamentos e analisar as práticas de jardinagem para determinar se elas beneficiam ou prejudicam o estabelecimento dessas associações simbióticas.

solo vegetal

Microbios benéficos

Muitos micróbios são patogénicos, ou capazes de causar doenças, mas outros desenvolveram uma relação simbióticamente mutuamente benéfica — por outras palavras, tanto as bactérias (ou fungos) e planta beneficiam da relação e não existe prejuízo para nenhuma delas.
Neste tipo de relação, as plantas recebem mais água e nutrientes do que obteria por si só. Isto ocorre porque os micróbios são capazes de encontrar bolsas de água e nutrientes melhor do que as raízes da planta. Em troca, os micróbios recebem açúcares e vitaminas — que os micróbios não conseguem obter por eles próprios.

Como é que as bactérias que fixam o nitrogénio entram e ‘infetam’ as raízes da planta? As raízes da planta tentam manter bactérias e micróbios fora, dado que podem ser patogénicos, no entanto, no caso deste tipo de bactérias são as raízes que libertam um químico que atrai estas bactérias.

As esporas das bactérias simbióticas estão no solo praticamente todo o tempo, mas só se tornam ativas quando são convidadas a tornarem-se ativas. Ao sinal das raízes, as esporas germinam, criando nódulos dentro das raízes. Estes nódulos são ambientes livres de oxigénio onde as bactérias podem arranjar nitrogénio. Nos nódulos, a bactéria recebe materiais das plantas e transformam o nitrogénio atmosférico (gasoso) e tornam-no numa forma sólida, que a planta pode usar nos seus processos bioquímicos.

Bactérias que não fixam o nitrogénio

Quanto às outras bactérias, que sendo benéficas para a planta, não fixam o nitrogénio, mas mesmo assim colonizam as raízes? As bactérias são atraídas pelos açúcares e ácidos orgânicos que fazem parte da secreção das raízes. As bactérias conseguem entrar nas raízes da planta e suprimir a resposta imunitária da plantas segregando peptídicos e outros químicos que impedem a planta de se livrar das bactérias. Os patogénicos fazem o mesmo, mas como estas bactérias são benéficas, a planta não as tenta destruir.
E ao colonizar as raízes da planta, conseguem impedir a colonização por patogénicos. Geralmente, estas bactérias fazem um revestimento que envolve as raízes da planta, retirando espaço onde os patogénicos poderiam ocupar. E se tentam ocupar, as bactérias ‘boas’ podem produzir cianeto, que mata os agentes patogénicos; outras produzem um muro de enzimas que degradam os fungos, o que os mata.

Redes micorrizianas

A micorrização (ou raiz do fungo) é uma relação simbiótica entre um fungo e raiz. É a regra, não a exceção, ter algum tipo de associação micorriziana de fungos com as raízes da planta.

Ectomicorriza

Um tipo de micorrização é a ectomicorriza (ecto significa ‘de fora’) em que as hifas dos fungos cercam os tecidos da raiz. Por vezes conseguem penetrar esses tecidos, mas não muito profundamente. Por isso são ectomicorrizas – estão no exterior da planta.

Uma pequena percentagem de plantas vai aceitar fungos ectomicorrizos, que formam redes extensas de através das camadas da coberta do solo e da terra vegetal. Eles chegam à cobertura do solo e criam uma rede que liga partículas de madeira à terra vegetal e às raízes. Podem manter juntas partículas de madeira. juntas e reter a água e reduzir a erosão.

Endomicorriza

Outro tipo de micorrização é a endomicorriza (endo significa ‘dentro, interior’); em que as hifas dos fungos estão dentro das raízes da planta. Estas hifas entram nas células das raízes e mantêm-se por lá. Não se espalham pelo solo ou para o serrim na cobertura do solo. Podem ser encontrados em centenas de famílias de plantas.

Como é que a micorriza infeta e coloniza as raízes da planta?

Existem repositórios de esporos de micorrizas na matéria orgânica grosseira no solo. Precisam de ter material lenhoso — madeira em decomposição — em especial ectomicorrizas. As esporas vão germinar sob condições de humidade e arejamento, portanto o solo tem que estar relativamente húmido (mas não encharcado) e arejado — ou seja, o oxigénio tem que estar presente.
Se as raízes estiverem recetivas a essas micorrizas, libertam um químico que convida os esporos micorrizidais a penetrá-las. As hifas penetram nas paredes das células e criam passagens entre as raízes da planta e as micorrizas e até possivelmente outras plantas.
As plantas estão ligadas entre si através desses canais fúngicos. As hifas criam revestimentos em torno das raízes e estendem-se profundamente no solo. Muitas vezes, existem múltiplas hospedeiras. O que engrandece ainda mais a rede de comunicação.
Nestas redes subterrâneas, as hifas exploram bolsas a que as raízes das plantas não conseguem chegar; assim conseguem adquirir e transferir nutrientes e água para a planta, melhor do que a própria planta. Estas redes também aumentam os agregados do solo, que contêm raízes e aglomerados de solo, ajudando à drenagem e arejamento. Além disso, as redes melhoram / aceleram a decomposição da matéria orgânica. Para finalizar, as redes micorrizianas acidificam a zona das raízes ao exsudar ácidos para o solo, facilitando para a planta o retirar de nutrientes do solo.

Benefícios de micorrizas e de bactérias promotoras do crescimento de plantas

Desde logo, aumentam a matéria orgânica no solo. Também solubilizam e aumentam a absorção de fosfato, dado que muitas plantas podem estar limitadas, especialmente em ambientes alcalinos. E podem absorver outros nutrientes e torná-los disponíveis para a planta.
Outro benefício importante é o aumento da atividade de fixação de nitrogénio, que é fundamental para as leguminosas. Além disso, estas bactérias e fungos produzem hormonas estimulantes das plantas. É uma situação “win-win“, benéfica para ambas as partes: o micróbio estimula o crescimento da planta para se puder melhor alimentar. Isto leva ao crescimento das folhas, raiz e dos ramos, por comparação com as plantas que não estão associadas a estes micróbios.
Para finalizar, estas bactérias benéficas aumentam a sobrevivida e o estabelecer da planta.
O que acontece no solo quando as micorrizas e de bactérias promotoras do crescimento de plantas estão presentes?

  1. Primeiro, a estrutura do solo é melhorada devido à rede.
  2. Segundo, a competição por nutrientes e água é melhorada nas plantas que têm associados esses micróbios, por comparação que não são micorrizianas
  3. Terceiro, maior resistência: ao ter um sistema de absorção de água e nutrientes, essas plantas estão melhor preparadas para resistir a tensões bióticas como doenças e tensões ambientais, como a seca.

Inibir micorrizas e de bactérias promotoras do crescimento de plantas

Há uma variedade de atividades, alterações e condições que podem inibir tanto micorrizas quanto bactérias promotoras do crescimento de plantas:

  • Fumigantes do solo
  • Aplicação excessiva de fertilizantes, em especial de fosfato
  • Irrigação excessiva
  • Solo de drenagem fraca
  • Qualquer atividade que destrua a estrutura do solo, incluindo a remoção ou compactação do solo vegetal

Encorajar micorrizas e de bactérias promotoras do crescimento de plantas

Também há uma variedade de atividades, alterações e condições que podem encorajar tanto micorrizas quanto bactérias promotoras do crescimento de plantas:

  • Cobertura do solo com serrim grosseiro
  • Pouca adição de nitrogénio fertilizante
  • Temperaturas quentes
  • Seca leve ou deficiência de nutrientes
  • Uso reduzido de pesticidas
  • Desmembramento reduzido do solo
  • Maior diversidade de plantas (por exemplo, cobertura viva do solo e plantas lenhosas – micorrizianas)

Micorrizas e bactérias embaladas

Suplementos de micorrizas podem ser efetivos se o solo é esterilizado, mas não existe um valor significativo ao adicionar micorrizas se o solo já contém micorrizas e bactérias nativas. Os efeitos positivos que pode ver, são normalmente devidos ao fertilizante no produto embalado.
Tenha em mente que solos não saudáveis não suportam o crescimento de micróbios nativos ou aplicados.
Os produtos embalados com bactérias que são usados para estimular o crescimento da planta pode ser efetivo em condições de solo estéril, mas as espécies benéficas já se encontram provavelmente no seu jardim, desde que o seu solo contenha matéria orgânica que tenha grande concentração de nitrogénio.
Não existem provas de que os produtos bacteriológicos ou de micorrização sejam efetivos em solos saudáveis.

¡Partilhe este artigo!

Dicas de jardinagem solos

Não perca as nossas novidades e promoções!

Subscreva a nossa newsletter para não perder nada sobre a Husqvarna. Preencha o formulário e receba informação sobre promoções, novidades, dicas e muito mais!

Nenhum produto no carrinho.